Curta nossa pagina

sábado, 13 de agosto de 2011

Duas cristãs morrem em campos de trabalho forçado na Eritreia

As mulheres foram presas em abril de 2009 por participarem de um encontro de oração

As duas mulheres estavam aparentemente doentes. Elas foram reiteradamente torturadas. Foi negado tratamento médico a elas repetidamente.

O país (o 12º no ranking da Portas Abertas) é conhecido por sua brutal hostilidade e total indiferença em relação à prisão de cristãos. Ministérios parceiros da Portas Abertas têm enviado relatórios, informando que as condições dos detentos são sub-humanas: são colocados em contêineres no meio do deserto e detidos em campos militares, além de ser também submetidos a tortura.

O presidente da Portas Abertas americana, Carl Moeller, diz: “Duas jovens mulheres, de 23 e 27 anos, Hiwet Tesfu e Zemami Mehari, morreram num desses campos militares”. Elas estavam no campo militar há dois anos e três meses.

O sofrimento delas foi totalmente ignorado no palco internacional, assim como tem acontecido com outros casos similares. As duas mulheres estavam aparentemente doentes, diz Moeller, mas foram torturadas frequentemente. Foi-lhes negado tratamento médico repetidamente. Elas foram enterradas no campo militar.

As mulheres foram presas em abril de 2009 por participarem de um encontro de oração em Dekemhare, a 15 km do campo militar de Alla , a sudoeste de Asmara. Tanto o relatório da Portas Abertas como o da Compass Direct News mostram que, na época em que foram presas, encontros cristãos para oração e outros similares estavam sendo organizados por jovens cristãos no serviço militar.

Há relatórios de milhares de cristãos em condições semelhantes e bem poucos, ou alguns, têm recebido atenção desde a sua prisão. A reação do governo da Eritreia aos cristãos parece ser lógica, pois esse tratamento produz um “efeito esfriamento” para os trabalhadores do evangelho. Ainda assim, o oposto parece ser verdadeiro, diz Moeller. “Quando eles veem a disposição dos cristãos em ir para a prisão, em morrer, em ser torturados pela sua religião, isso cria uma inevitável sede de compreender o que é essa fé.”

“O grande paradoxo”, nota Moeller, “é que, exatamente naqueles lugares onde a situação é mais desesperadora, vemos o crescimento mais dramático da igreja. Eu acredito que é por isso que, no meio da crucial perseguição, os cristãos perseveram.”

Fonte: Portas Abertas/CpadNews
Postar um comentário