Curta nossa pagina

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Cristãos e ONgs Organizam Marcha da Impunidade que Relembra Crimes como o de Juan Moraes


marcha contra impunidade
(Foto: Marcha Contra a Impunide)
 
A Marcha Contra a Impunidade no Rio de Janeiro, organizada pela ONG Rio de Paz, acontece neste domingo (31) a partir das 14 horas com partida prevista da Praia de Copacabana.
Imagem da estátua de Cristo segurando faixa perguntando sobre quem matou o menino Juan Moraes.
Entre os temas propostos está a morte do menino Juan. Seu corpo desapareceu e reapareceu dias depois, irreconhecível: apenas pés, mãos e a ossada. Cartazes com a frase “Quem matou Juan?” estão sendo divulgados nas redes sociais, como twitter e facebook. Lideres evangélicos divulgam em suas redes sociais a Marcha Contra a Impunidade no Rio de Janeiro.
Além desse tema, um levantamento estatístico de número de pessoas desaparecidas no estado, número de homicidas sem punição, número de policiais mortos em serviço estão sendo divulgados.
A ONG Rio de Paz é formada por cidadãos de todos os segmentos da sociedade, interessados na defesa dos direitos humanos, não tem vínculos políticos, nem está ligada a instituição pública. Surgiu em janeiro de 2007, logo após a onda de atentados que varreu a cidade do Rio de Janeiro, no final do ano de 2006. Naquela ocasião dezenove pessoas foram mortas, oito delas queimadas vivas em um ônibus interestadual. De acordo com a ONG, nos últimos dez anos 500.000 brasileiros foram vítimas de homicídio.
“A nossa intenção é realizar um ato público contra o baixo índice de elucidação de autoria de homicídio no estado do Rio de Janeiro, no dia 31 de julho, na praia de Copacabana, no posto 6, a partir das 14h. Voluntários, determinados membros da sociedade civil estarão vestidos de camisa preta numa marcha contra a impunidade nos casos de crimes contra a vida", disse o presidente da ONG, Antônio Carlos Costa.
Para o presidente nenhuma democracia suporta tamanha impunidade e não há sentido em vivermos em uma sociedade onde o direito à vida não está assegurado. “Por que temos que assistir mudos a ousadia de homens perversos que não encontram resistência por parte da sociedade num contexto de ineficiência no combate ao crime por parte do poder público?” Questiona o presidente.
A marcha tem recebido apoio de muitos lideres evangélicos que divulgam em suas redes sociais banners, cartazes, imagens e vídeos sobre o tema.
Abaixo algumas reinvindicações que serão abordadas na marcha:
1. Julgamento e punição para os assassinos de Juan.
2. Manutenção da investigação em casos de auto de resistência (pessoas mortas em confronto com a polícia).
3. Maior investimento em verbas e pessoal em corregedorias externas às polícias civil e militar, que prestem regularmente à sociedade contas de seu trabalho.
4. Trabalho diligente e cuidadoso na elucidação da autoria de homicídio doloso.
5. Investigação dos casos de desaparecidos com indícios de homicídio.
O Rio de Paz, desde 2007, vem lutando pela implementação de 15 medidas essenciais para a diminuição das mortes violentas no Brasil. Mas, não há política de segurança que faça homicídio cair sem que os culpados por crime tão grave sejam punidos.
Postar um comentário