Curta nossa pagina

sábado, 30 de julho de 2011

Apple não resiste a protestos de ativistas gays e retira apoio de site cristão


O grupo afetado diz que vai espalhar a mensagem de que a empresa de Steve Jobs não quer fazer negócios com os cristão.
A Apple decidiu retirar seu serviço de iTunes do site de caridade da Christian Give Back Group (CGBG), um ministério antes conhecido como “Rede de Valores Cristãos” depois que ativistas gays protestaram contra o financiamento da empresa com ministérios “anti-gays” e “anti-mulheres”.
Os protestos contra o ministério cristão foi liderado por Crowther, um estudante da Western Washington University que lançou uma petição no início de julho no Charge.org, alegando que ele estava preocupado com o apoio da Apple e de outras empresas ao ministério CGBG. Após essa manifestação, a Apple retirou seus serviços do site.
“Desde o início, eu sabia que uma vez que este assunto fosse trazido à atenção da Apple, eles não gostariam de ser uma parte da CVN.og (endereço do site que tinha o apoio da Apple)”, Crowther, disse em uma declaração sobre o Change.org com suas palavras ele conseguiu 35.000 assinaturas.
O grupo cristão se sentiu ofendido e disse que a atitude da empresa de Steve Jobs envia a mensagem de que eles não querem fazer “negócios com o povo cristão”, principalmente se eles começarem a atender a todas as petições dos ativistas gays. Essa declaração foi dada por meio de Kevin McCullough, assessor do ministério.
O que a fabricante do iPad não lembrou, é que a CBGB conecta consumidores com milhares de varejistas e permite ao consumidor doar uma porcentagem de suas compras para uma instituição de caridade de sua escolha, baseadas na fé ou não.
McCullough apontou para o The Christian Post que os consumidores que fazem compras através da CVN.org, não CBGB, são quem decidem qual entidade recebe doações.
“Apenas damos vales qualificados de compras para legitimar as organizações federais licenciadas”, disse ele.
A petição de Crowther levou não só a Apple a cortar os laços com a CBGB, mas várias outras empresas, incluindo Macy e Microsoft, que têm feito o mesmo.
“Se a Apple está pronta retirar alguma coisa, porque eles têm 22 mil assinaturas… não haverá uma Igreja, a pessoa baseada na fé, católica, protestante, evangélicos, carismáticos, não haverá ninguém no país que não saiba”, disse McCullough.
O assessor diz também que não está pedindo para que a Apple fique do lado dos cristãos, mas que se mantenha neutra na discussão. “Não estamos pedindo a Apple para abraçar a nossa posição ou a posição do outro lado. Só queremos que eles fiquem neutros “quando se trata de questões culturais”.
Fonte: Gospel Prime
Postar um comentário