Curta nossa pagina

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Pastor da África do Sul do 'Jesus-tinha-HIV’, Está de Jejum por 30 Dias

Um pastor da Cidade do Cabo, que criou uma polêmica com o seu sermão "Jesus era HIV-positivo", no ano passado, agora está em um jejum de um mês de duração contra a pobreza, crime, corrupção e "racismo".

Depois de usar vários métodos controversos para chamar a atenção das pessoas para as questões sociais no passado, o Rev. Xola Skosana da carismático da Way of Life Church em Khayelitsha Township está jejuando por 30 dias para destacar mais preocupações.

"Estou em greve de fome por 30 dias porque ...", o pastor diz em uma declaração à imprensa listando várias questões, incluindo a absolvição de um homem acusado de estupro; equipe sul-Africano de rugby ter todos os jogadores brancos; falta de vontade política para enfrentar o "Apartheid"; falta de emprego para 3 milhões de jovens; "níveis extremos de corrupção"; privatização da água, eletricidade e educação, e despejo de trabalhadores rurais de suas terras para o desenvolvimento.

"Em poucas palavras, é um fardo ser negro no mundo de hoje", alega o pastor que estava no 11º dia de seu jejum de segunda-feira.
"Eu tenho estado como um zumbi a partir do momento que comecei o jejum no início deste mês. Eu estive alucinante sobre a água e alimentos, com sinais de desidratação ... ", disse Skosana à Independent Online Daily.

"Cada parte do meu corpo me diz para levantar e caminhar até a cozinha e comer qualquer coisa e tudo o que eu tenha em minhas mãos. Mas então eu percebo por que eu estou fazendo isso, por que é importante tomar uma posição".
Em novembro passado, Pastor Skosana disse à sua congregação que "Jesus era HIV-positivo", durante um sermão de domingo, ofendendo alguns membros da igreja e muitos Cristãos na áfrica do Sul e outros países. Mas depois ele esclareceu que era uma metáfora, dizendo à BBC que era para que Jesus se colocasse na posição do desamparado, doentes e marginalizados. Ele também enfatizou que ele estava destacando o perigo da pandemia do HIV/Aids, que ainda carrega um estigma nos municípios da áfrica do Sul.

Na declaração à imprensa, o pastor diz que ele recorreu ao jejum porque ele tinha esgotado "todas as outras opções" e "nossos governantes tornaram-se obstinados e duros de ouvido”.
No último Natal, Skosana lançou uma campanha chamada "Bem vindo ao Inferno, Municípios SA!" Que incluiu uma marcha através de Khayelitsha, de acordo com jornais locais. Além do mais, no fim de semana da Páscoa deste ano, ele andou cerca de oito milhas carregando uma enorme cruz de madeira.
"Espero que a minha greve de fome não só fale com a consciência de nossos líderes políticos, mas também ajude a acender a imaginação do nosso povo para que eles comecem a esperar mais de si mesmos e mais de seus líderes", diz ele.

"Para o registro", sua declaração acrescenta: "Eu não quero morrer e deixar minha esposa e filhos em perigo, como todas as pessoas eu gostaria de viver uma vida longa. Mas se a morte deve vir, é o menor dos meus problemas".

The Christian Post
Postar um comentário