Curta nossa pagina

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Traficantes falam que testemunhas contra Marcos Pereira foram compradas

traficantes-falam-que-testemunhas-contra-marcos-pereira-foram-comprados-fe-em-jesus.jpg
Fernandinho Beira-Mar e Marcinho VP estão sendo acusados pela polícia de planejar os atentados contra o AfroReggae.
O programa Fantástico divulgou trechos da conversa entre os traficantes Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar e Márcio Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, que estão presos em Catanduvas, no Paraná. A conversa entre os dois criminosos teve vários assuntos, incluindo a tentativa de Marcinho VP em deixar o presídio de segurança máxima conseguindo transferência para uma prisão no estado do Maranhão.
Foi então que Beira-Mar perguntou se o pastor Marcos Pereira teria uma igreja naquele estado e foi notificado por Marcinho de que o líder religioso está preso por conta de denúncias feitas por José Júnior, coordenador do AfroReggae.
“Teve um problema com ele [Marcos Pereira] lá agora, lá no Rio. Prenderam ele lá no Rio (…) Vítima daquelas acusações levianas lá, que estava lá, do Júnior. Compraram um montão de testemunhas para dar depoimento contra ele…” disse Marcinho VP que controla o tráfico no Complexo do Alemão.
Beira-Mar teria respondido: “Tipo assim, compraram, compraram é eufemismo, foi o Juninho que estava por trás disso né. Tinha que mandar um salve lá para ele.”
A polícia acredita que “mandar um salve” significa atacar, fazer uma represália para impedir que o coordenador da ONG continue acusando o pastor.
Os dois traficantes foram levados a prestar depoimentos sobre essa conversa, pois 16 dias depois o AfroReggae foi atacado tendo sua pousada incendiada e dias depois outros três ataques foram feitos contra bases da ONG tanto no Complexo do Alemão como em Vila Cruzeiro.
Nos depoimentos os dois traficantes negam que tenham mandado atacar as bases da ONG, Beira-Mar chegou a dizer que não tem poder para isto e seu advogado garantiu que não há ligações entre ele e o pastor, já que seu cliente é ateu.
Marcinho VP também se explicou dizendo que sobre o “mandar um salve” ele entendeu que era um aviso para que José Junior e Marcos Pereira parem de brigar.
A polícia não acredita nesta versão e diz que o crime organizado do Alemão não teria promovido essas ações contra o AfroReggae sem a autorização do chefe da facção, no caso Marcinho VP.
“Nenhum chefe de favela realiza qualquer ação sem que o chefe da facção autorize esta ação”, disse o delegado Márcio Mendonça ao Fantástico.
Já para o advogado do fundador da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, Luiz Carlos Silva Neto, a conversa entre os traficantes prova que Pereira é inocente, pois Marcinho atesta que as testemunhas foram compradas.
“Para mim é uma prova contundente, cabal, de que infelizmente o pastor Marcos Pereira da Silva está sofrendo injúrias. Eu estou requerendo inclusive que este acusador-mor, José Junior, seja ouvido pela Justiça”, diz o advogado do pastor.
José Junior, por sua vez, nega que tenha forjado testemunhas contra o pastor. “Quando eles falam que a gente está pagando, a informação não é uma informação correta. Então eu acho que existe também interesses de outras pessoas, de colocarem eles contra a gente”.

Fonte: Gospel Prime
Postar um comentário